Notícias

Esteja a par de todas as novidades sobre a Loja do Condomínio e sobre Administração de Condomínios

Visto: 2267 vezes

Saiba como prevenir acidentes no seu lar

Notícias do Condomínio

28 de Dezembro 2015
Saiba como prevenir acidentes no seu lar
Ano novo, velhos problemas.
O que pode acontecer se não tomarmos as devidas precauções em relação à segurança das nossas frações e edifícios? Nesta edição, vou falar-vos das situações que podem provocar incêndios em edifícios e das medidas de segurança que devemos adotar para que destes não ocorram graves consequências.

É cada vez mais frequente o uso de velas de cheiro e de decoração. Estas são das causas mais comuns de incêndios no interior de edifícios e frações, em conjunto com a utilização das extensões e fichas triplas elétricas para alimentar vários equipamentos ao mesmo tempo; a utilização de aquecedores elétricos para secar roupa; e a não proteção de lareiras ou salamandras.

Mais frequentes ainda são os incêndios nas frações de habitação provocados por objetos de fumo ou pelo aquecimento do óleo no fogão (particularmente entre as 19 e as 21h – hora de refeição) uma vez que este fica “esquecido” enquanto se vai dar banho às crianças, ver as notícias ou simplesmente descontrair no sofá.

Todas estas situações podem ser evitadas, se nos sensibilizarmos para a temática da segurança contra o incêndio nos edifícios, criando rotinas e comportamentos preventivos, tais como:

• evitar a utilização de velas (em especial junto de cortinados e outros adereços que possam receber o calor da chama e arder);
• apagar todas as velas quando vamos dormir e quando saímos de casa, mesmo que por breves momentos;
• utilizar extensões e fichas triplas com marcação CE;
• não ligar vários equipamentos elétricos à mesma tomada e extensão;
• limpar/aspirar o pó que se acumula nas tomadas e extensões elétrica, mas sempre com a energia elétrica desligada aquando da limpeza;
• proceder à limpeza das lareiras, salamandras e respetivas chaminés e condutas de exaustão antes da primeira utilização e sempre que se mostre necessário;
• utilizar lenha adequada ao tipo e tamanho dos equipamentos de queima;
• colocar barreiras resistentes ao fogo que impeçam a saída/queda de combustível a arder para fora da zona de queima das lareiras;
• não armazenar lenha, acendalhas, papel e outros materiais combustíveis ao lado e em cima das lareiras/salamandras;
• não utilizar as arrecadações e os locais de estacionamento de veículos para o armazenamento de grandes quantidades de combustível para queima;
• afastar carpetes, tapetes, cortinados, sofás e outros adereços que possam estar na zona de mais libertação de calor;
• não sair de casa ou ir dormir sem que a lareira ou salamandra fique sem combustão, se não apague o fogo com recurso a água;
• não colocar aquecedores elétricos, a gás e/ou a líquidos combustíveis a produzir energia junto de cortinados, sofás, roupa ou outros materiais combustíveis;
• não secar/aquecer roupa em cima ou em contato com os aquecedores, incluindo os radiadores dos sistemas de aquecimento central;
• não tapar as zonas de ventilação dos aquecedores, elas existem para garantir o correto e seguro funcionamento dos equipamentos;
• não realizar qualquer reparação provisória, improvisada ou realizada por pessoas não habilitadas nos equipamentos de produção de calor;
• fechar as válvulas de gás que alimentam os equipamentos (fogão, exaustor, caldeira ou aquecedor) quando abandonamos a fração/edifício ou vamos dormir.

Cuidados a ter nas zonas comuns
Nas zonas comuns também são necessárias medidas de prevenção para evitar os incêndios, nomeadamente:
• não fumar junto dos caixotes do lixo/ecopontos, arrecadações, garagens e parqueamentos, salas de condomínio, elevadores, escadas e corredores;
• não armazenar materiais combustíveis nas escadas, nos corredores, nas zonas de passagem, nas portas de serviço e emergência;
• não colocar vasos e/ou outros elementos de decoração nos degraus das escadas que serve de via de evacuação.
Estas são algumas das medidas de prevenção mais eficazes, baratas e simples de conseguirem ser implementadas em todos os edifícios.

Quando a prevenção falha
Contudo, sabemos que quando a prevenção falha, o incêndio acontece, e nessa altura torna-se necessário a operacionalização de algumas medidas para evitar consequências de maior, tais como:
• a existência de extintores portáteis, de preferência os extintores de água aditivada ABF (extintores de espuma);
• a existência de mantas ignífugas (apaga fogos) para abafar as chamas nos incêndios que decorrem dos óleos das frigideiras no interior das frações de habitação;
• a existência de um número de telefone dos bombeiros, da policia/guarda e do administrador, disponível e “à mão” para que estes possam ajudar na resolução do problema;
• a existência de sinalização de segurança, em especial referente aos caminhos e vias de evacuação;
• a iluminação de emergência, para caso seja necessário realizar o corte geral de eletricidade, exista uma iluminação mínima que permita a evacuação rápida e segura das pessoas do interior da fração/edifício para o exterior;
• a existência de um sinal acústico que possa avisar as pessoas que estão em risco no interior do edifício, e que servirá como alarme geral de evacuação;
• o bom funcionamento das portas corta-fogo que vão impedir a propagação livre do fumo, chamas e gases do incêndio, até a chegada dos bombeiros;
• a praticabilidade das portas que estão nos caminhos de evacuação, sem prejudicarem a evacuação rápida e segura das pessoas até ao exterior.

É, também, aconselhada a existência de ações de sensibilização sobre segurança a todos os condóminos, para que possam saber prevenir e atuar em situações de emergência. Para que isto aconteça, devem reservar cerca de trinta minutos para conhecer, uniformizar, divulgar e treinar procedimentos de deteção, alarme, alerta e atuação com os extintores portáteis, mantas ignífugas ou carreteis. Esta temática pode ser abordada, por exemplo, nas reuniões de condomínio, e recomendando-se mesmo a descarga de um, ou dois, extintores de vez em quando para que todos os condóminos tenham a noção básica do seu modo de funcionamento e do tipo de extintor que têm no seu condomínio. O mesmo deverá acontecer com os carreteis do serviço de incêndio.

  • Comentários Comentários a esta notícia ( 0 )

Comentar esta notícia:

  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Restam   caracteres
    Campo de preenchimento obrigatório.
  •   Campo de preenchimento obrigatório.
  •   




  • * Campos obrigatórios

Enviar notícia a amigo:

  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Campo de preenchimento obrigatório.
  • Restam   caracteres
  •   Campo de preenchimento obrigatório.
  •   


  • * Campos obrigatórios